sábado, 28 de abril de 2012

The Avengers

Sinto que não sou uma nerd muito exemplar...
Participação especial da Suco chan!

sexta-feira, 27 de abril de 2012

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Família McLeod

Ficaram prontas as 4 páginas de quadrinhos que fiz com o Toscano sobre a Família McLeod!
Para conferir, é só clicar na imagem abaixo.


Esse trabalho foi bem corrido. Trabalhamos muito, dormimos pouco... mas valeu a pena!
Outras histórias serão postadas no Blog de Quadrinhos da Ufes em breve. ; )

Até a próxima o/

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Storyboard e Arte final

Ei galera!

No post anterior comentei sobre o processo de adaptação do roteiro para o storyboard. Agora, vou falar sobre a etapa seguinte: arte final.

Ao apresentar os rascunhos para o roteirista, ele pode propor alterações no desenho. Ou porque você não conseguiu representar corretamente a ideia dele (não é um erro mortal, relaxe se isso acontecer), ou por achar que poderia funcionar melhor do outro jeito, ou por melhor fluidez na leitura do quadros, etc. É importante ajeitar tudo que for possível enquanto a coisa está à lápis. Tudo bem que hoje em dia o computador faz milagres com o Ctrl+Z ou com a borracha virtual... mas é sempre bom ter o mínimo de trabalho, né? (Não é preguiça! Muito pelo contrário, é busca por melhor rendimento - ou seja, quanto menos trabalho eu tiver numa etapa, mais etapas vou cumprir em função do tempo.)

É preciso que no mínimo um de vocês (desenhista / roteirista ) tenha conhecimento sobre quadrinhos. E com conhecimento eu não quero dizer "leitura frenética" apenas. Me refiro a bases bibliográficas, conhecimento teórico, estudo da estética, etc.

Ok, vamos parar de blá blá blá e ver o resultado da minha página! =P

Etapa 1 - Aqui foi discutido o storyboard. Em função do roteiro, alguns balões foram modificados. Houve também alteração no penúltimo quadro da página. Ao escrever o roteiro, o meu colega não especificou onde e como o faraó construiu a pirâmide de palitos. Eu imaginei uma pirâmide grande, mas na cabeça dele, a pirâmide era pequena e ficava em cima da mesa.


Etapa 2 - Resolvido o "problema" com o desenho na etapa anterior, foi discutido quais quadros formariam a página definitiva. As escolhas foram feitas de acordo com testes de composição, fluidez do texto, ordem de leitura...


Etapa 3 - Escolha de cores e letras. Também chegamos a este resultado depois de testar várias opções de paletas de cores e de testar algumas fontes comics da vida. Fazer tudo isso em uma semana foi cansativo! Aqui está sendo mostrada apenas o processo de composição da primeira página, ao todo são quatro páginas.


Nane, cadê as outras três páginas? Estão escondidas! xD Brincadeira. Achei melhor postar no Cappuccino apenas a prévia do que será postado no blog da disciplina depois. Além dessa história completa, você poderá ler as histórias de todo mundo que deu o sangue nesse trabalho! \o/

Até a próxima! o/


sexta-feira, 13 de abril de 2012

Roteiro e Storyboard

Quando se recebe um roteiro, a primeira coisa que fazemos é imaginar aquilo que estamos lendo. Geralmente, quando o roteiro está bem explicado, essa sequencia de ações e imagens passa na nossa cabeça como se fosse um filme. Quando o contrário acontece, quando o roteiro é vago em relação ao que está sendo mostrado em cada quadro, esse filme pode passar na nossa cabeça de várias maneiras diferentes.

Ocorrendo este segundo caso, a coisa mais inteligente (pelo menos pra mim) a se fazer é projetar a maneira mais adequada - considerando a história e seus personagens - de dirigir esse filme. Para isso, é feito o storyboard.

Mas Nane, eu não quero fazer um filme... quero fazer quadrinhos! Ok... o processo então é: hmmm... o mesmo! Os quadrinhos nada mais são que uma sequencia de imagens que representam uma narrativa. É necessário estruturar bem essas imagens para passar ao leitor exatamente as sensações que a história pede. E pasme você que pensa que para fazer HQ é preciso saber desenhar (mas isso é história pra outro Cappuccino)!

Personagem
Quando o personagem da história está definido, você só precisa reproduzi-lo depois. Se alguém pedir para desenvolver uma narrativa do Homem-Aranha, você não vai precisar fazer o design dele do zero, né? Talvez testes para adaptar o personagem ao seu traço, mas esse herói com grandes responsabilidades já está tão repetido no imaginário das pessoas, que tentar mudar sua imagem seja um erro. (Caramba, isso tá caminhando pra semiótica - assunto para outro Cappuccino).

No caso do roteiro de quatro páginas que me foi passado há duas semanas, os personagens são inéditos. O roteirista me deu uma espécie de ficha de cada "ator", ou seja, informações sobre características físicas e psicológicas, para que eu os desenvolvesse.

Sr. McLeod e seu neto - estudo aprovado pelo roteirista

Na última quarta-feira discuti o storyboard com o autor desse roteiro, e precisei fazer algumas alterações nos desenhos dos quadros. Isso é feito quando a história ainda está no estágio de storyboard. Só depois que tudo estiver ok, começamos o processo de arte-final.

Storyboard x alterações feitas no processo de arte-final

Em suma, fazer quadrinhos é uma atividade bem complexa! Como designer, eu vejo cada página como sendo um projeto, e cada projeto fazendo parte de um projeto ainda maior. Tudo é pensado e testado antes de ser considerado definitivo. Claro que, como todas as coisas que eu escrevo aqui, esta não é uma regra a ser seguida... e sim o meu método de desenvolvimento - o qual defendo com unhas e dentes.

Nesta semana, trabalharei com a colorização das páginas. Quando tudo estiver pronto, divulgarei aqui.

Até a próxima! o/

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Roteiro

Yo, galera! o/

Meu tempo está bem corrido, quase não consigo atualizar o Cappuccino direito. Estou participando de duas pesquisas na Ufes, além das atividades normais das disciplinas que peguei. Fora isso, trabalhando. Eu bem que gostaria de ter um dia com 36 horas, como algumas pessoas dizem... mas acho que em vez de descansar, preencheria as horas restantes com mais atividades. Não sei ficar parada!

O assunto do post de hoje é roteiro. Mais especificamente de quadrinhos, o qual estou tendo contato mais aprofundado nesta semana na disciplina de Estudo e Produção de Histórias em Quadrinhos. O desafio foi escrever um roteiro para uma história de 4 páginas para outro colega desenhar. Sensacional!

A galera que lê o Cappuccino e gosta de desenhar, sonha em trabalhar com quadrinhos e tal, tem que se atentar para isso: nem sempre você vai desenhar sua própria história. É preciso muita organização e paciência para desenhar o roteiro de outra pessoa. Por quê? Ora, porque como a ideia não saiu da sua cabeça, você precisa entender o que se passa na cabeça da outra pessoa. Para isso, conversar é fundamental. Trocar informações, storyboard, fazer e refazer até ficar bom. Cabe ao roteirista também ser o mais claro possível em relação a sua ideia para evitar esse leva e traz.

E ao pessoal que lê o Cappuccino mas não desenha, curte mais inventar história, fica a dica: quanto mais claro for o roteiro, mas rápido o trabalho ficará pronto. Assim como disse no parágrafo anterior, a ideia está na sua cabeça, não na do desenhista. Ele pode fazer um excelente trabalho e adivinhar tudo que você pensa, mas nem sempre isso acontece. O diálogo entre as duas (ou mais) partes envolvidas é muito interessante e produtivo! As vezes o desenhista pode opinar em certas coisas, sugerir modificações, alterações de ritmo de leitura, etc, contribuindo para que o "produto final" fique ainda melhor.

Enfim, eu vou desenhar a história de 4 páginas do meu colega de curso, Toscano!  Nosso resultado poderá ser visto a partir do dia 18/4 no blog de Quadrinhos. Aproveito para convidar você para ler a seção de tirinhas do blog, que está muito boa!

Qualquer coisa, deixe um comentário.
Até a próxima! o/