terça-feira, 30 de dezembro de 2014

O ano termina... ♬

Dizem que a vida da gente é cheia de fases, então acho que joguei a de 2014 no nível difícil. Olhando pra trás, agora no finalzinho do ano, dá pra sentir que apesar dos perrengues, houve um crescimento muito grande em todos os campos possíveis da vida!

Correção: em quase todos. =P

No comecinho de 2014 virei "bacharela" em design, logo em seguida consegui um trabalho de tempo integral fora de casa, e comecei a virar gente grande! Por mais que já tivesse a experiência de trabalhar em casa, com a mãe pedindo de vez em quando pra parar de "mexer na internet" e ligar a máquina de lavar, a experiência profissional adquirida trabalhando numa empresa foi bem legal. Aprendi muita coisa, de várias áreas, e isso me ajudou a desenvolver capacidades que eu julgava não ter.

Mas, como disse o tio Ben: "com grandes poderes vêm grandes responsabilidades", e assim de fato é. Às vezes precisamos sacrificar coisas que amamos fazer em prol de outras novas coisas que precisamos fazer para sobreviver. Explico: durante a semana o tempo passa muito rápido no período de 18h às 22h; e os finais de semana passam tão rápidos que parecem ter 1 dia só em vez de 2! Em compensação, a gente aprende a valorizar mais o pouco tempo que tem com a família e com os amigos e percebe o quanto o apoio e o carinho deles são importantes pra gente seguir em frente. =)

O que fica pra 2015:
Para o ano que vem tenho promessas bobas do tipo "parar de tomar refrigerante" e "me exercitar mais"... e quero conseguir mais tempo para projetos pessoais, desenhos, estudos, gambiarras, MDC.

Desejo a você um excelente 2015! Que as coisas chatas fiquem mais legais, e que as coisas boas fiquem cada vez melhores. Obrigada pela companhia, e que tenhamos mais cappuccinos juntos ano que vem!

Até a próxima! o/

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Kibidango

Perfeito! É a palavra que, na minha opinião, resume o lançamento do livro Momotaro - o menino pêssego, organizado pela Editora Leitura e Arte, na Saraiva do Shopping Vila Velha, no último sábado, dia 20 de dezembro!

Movimentação de pessoas no espaço infantil da livraria.

Mesmo sendo um livro voltado ao público infantil, o evento contou com a participação de pessoas de idades variadas, interessados na cultura japonesa, clientes da livraria, além de amigos e familiares do autor. Eu, claro, estava lá e garanti o meu exemplar autografado por Hideki Katsumoto.

Hideki Katsumoto e eu (com cara de boba posando pra foto).

Além de sessão de autógrafos, fotos e encontro de amigos, outras atrações animaram a tarde do sábado. A contadora de histórias Tiana Magalhães, quem teve o primeiro contato com o livro naquele dia, prendeu a atenção de crianças e adultos durante a contação da aventura de Momotaro - o menino pêssego.

Contação da história para as crianças por Tiana Magalhães.


Descendentes de japoneses que estavam no local puderam relembrar a lenda que ouviram de seus pais quando crianças. E os pequenos brasileirinhos, por sua vez, conheceram um pouco da cultura de outro país por meio de uma história cheia de ação, espírito de aventura, e amizade.

Em seguida, foi anunciada uma apresentação de músicas tradicionais japonesas, brasileiras e natalinas cantadas pelo Coral da Associação Nikkei de Vitória, comandados pela professora Ayuko Sakanoue.

Coral da Associação Nikkei de Vitória.

A primeira música cantada foi o tema do Momotaro, que me fez chorar litros! Fiquei muito emocionada durante a apresentação do coral, e ainda agora, só de lembrar, os olhos encheram de água novamente. Foi uma experiência incrível!! (n*-*n)

Bom, eu já acompanhava o projeto do livro pela internet há algum tempo, então fiquei muito feliz de poder ver a coisa toda saindo do papel, ou melhor, colocada de fato no papel! O livro está lindo, a história é muito gostosa de ler, os desenhos são super coloridos e bem feitos, os extras com curiosidades e informações sobre o processo é uma fonte de referência excelente para designers... Desejo muito sucesso e conquistas para o Hideki Katsumoto, e pra Editora Leitura e Arte um super obrigada.

Também deixo aqui um kibidango simbólico em agradecimento a todos que foram no lançamento do livro! E quem não pôde comparecer, mas se interessou pela história, pode ficar tranquilo, pois está fácil encontrá-lo à venda online também. ;)

Confira locais de venda:
Momotaro - o menino pêssego na Saraiva.

Até a próxima! o/
Feliz Natal!

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Lançamento - Livro Momotaro

É com muita alegria que anuncio um dos momentos mais felizes do ano: O Lançamento do livro Momotaro - o menino pêssego, do autor, ilustrador e designer, Hideki Katsumoto.


Clique na imagem para ampliar

Para quem não está familiarizado com a história, Momotaro é meio que um herói do folclore japonês, encontrado no rio, ainda neném, dentro de um pêssego gigante, por um casal de velhinhos. Quando mais velho, Momotaro parte em uma aventura com seus amigos para ajudar os moradores de sua vila. \o/

Momotaro e seus amigos

O livro é tooooodo ilustrado, com desenhos magníficos, coloridos, super lindo... E embora seja voltado para o público infantil, acredito ser também uma fonte de referência riquíssima para nós adultos ilustradores, além, é claro de nos deixar um pouco mais por dentro da cultura japonesa.

Recapitulando:
Dia 20/12/2014 (sábado), na Livraria Saraiva do Shopping Vila Velha, de 16h às 19h - Lançamento do Livro Momotaro, com presença do autor. Garanta seu exemplar antes que eu compre todos!

Foi feito um hotsite com as informações de endereço do Shopping, com mapa de como chegar lá, e dados sobre o livro, sobre a história e sobre o autor. Então, qualquer dúvida, pode acessar: http://www.livromomotaro.com.br/

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

A Lagarta

Nesta semana aconteceu um episódio muito estranho na minha vida profissional. Lá no trabalho, durante o horário de almoço, apareceu uma lagartinha cozida no meio do brócolis da marmita de uma das minhas colegas de sala. Ela reclamou, meio enojada, enquanto outra pessoa deu ideia "come, é proteína".

Aproveitei o episódio para colocar a produção dos desenhos em dia. s2


Nanquim sobre papel offset 75g/m²

Procurei na memória algo marcante relacionado à lagarta e comida, e me veio logo a lagarta do livro Alice no País das Maravilhas. Em relação à comida, pensei na personalidade da Alice da animação Disney.

Referências utilizadas.

Tirei cópia do desenho para fazer um teste de cor usando minhas aquarelas líquidas, mas como estava perto do meu horário sagrado de dormir, não caprichei tanto. Outra hora, com mais calma, vou finalizar o desenho com mais amor no coração e menos sono.


Cópia jato de tinta, colorido com aquarela, sobre papel layout 180g/m²


Parte da paleta foi sobra do Sepiatember que tinha no godê! xD
O que acontece no seu dia pode virar motivo para um estudo, que tal?

Até a próxima! o/

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Tag: Conhecendo melhor a blogueira

Estava eu lendo as atualizações dos blogs que sigo, quando me deparo com uma invenção de moda da vizinha Rosali: uma mistura de e-mail corrente com caderno de perguntas (as meninas da 7ª série sabem do que estou falando), tipo uma entrevista para que os leitores conheçam melhor os blogueiros.

Pelo que entendi, funciona assim: ela escreve 11 curiosidades sobre si e depois propõe 11 perguntas pra algumas pessoas, que devem fazer o mesmo. Uma das pessoas escolhidas por ela fui eu.

E essa foi a minha reação após ler o post do blog da Rosali.

Tomara que eu não perca seguidores do blog com as informações colocadas abaixo. =P
1. Eu não sou japonesa, nem tenho ascendência japonesa.
2. Tenho medo de escuro, de fantasmas e de extraterrestres.
3. O blog tem esse nome porque cappuccino é minha bebida preferida.
4. Gosto de dormir não só para recuperar as energias, mas principalmente pra poder sonhar. Às vezes, depois de ter acordado, eu forço dormir de novo pra saber como termina o sonho que eu estava tendo antes de acordar.
5. Só gosto de coisas novas quando já são meio velhas.
6. Quando leio um livro com muitos personagens, costumo imaginar pessoas conhecidas fazendo papel de cada um deles para lembrar melhor de todos.
7. Tenho visão, audição, e memória seletivas.
8. Não decoro nome de atores e atrizes, daí quando alguém me fala que "Fulano" vai fazer um filme, sempre peço uma lista de outros filmes que "Fulano" tenha participado. Na maioria das vezes eu não conheço metade dos outros filmes feitos pela pessoa, ou então lembro dos filmes, mas não da cara do ator.
9. Acho muito feio falar palavrão.
10. Me emociono ao cantar/ouvir o Hino Nacional Brasileiro.
11. Sonho em me casar.

Perguntas feitas pela Rosali:

1. O que você queria ser quando crescer?
Queria ser desenhista. =)

2. Prefere Raul Gil ou Faustão (suponha que sua vida está por um fio,que um assassino tem uma arma na sua cabeça, e você depende disso)?
Não sei... talvez Faustão... mas só se a arma for de verdade e estiver carregada.

3. Qual a pior coisa que pode acontecer no seu dia?
\o/ Cólica!

4. Qual a melhor coisa que pode acontecer no seu dia?
Ser meu aniversário, porque assim daria pra fazer todas as outras coisas que eu pensei como resposta para esta pergunta. \o/

5. Comida favorita.
Ao contrário do que algumas pessoas pensam, minha comida preferida é estrogonofe, e não yakisoba.

6. Programa de Tv favorito.
Não sei. Ultimamente tenho assistido Masterchef... Também gosto de desenhos animados.

7. Livros, quadrinhos, séries ou filmes?
Livros e quadrinhos.

8. Qual a sua preferencia politica?
Prefiro a que de fato cuida da polis.

9. Uma mania.
Falar sozinha.

10. Qual teu signo, ascendente, descendente, horoscopo chinês, e idade?
Meu signo é gêmeos (isso explica muita coisa, né?). Acho que ascendente é libra, mas não tenho certeza. Existe descendente também nessas coisas? No horóscopo chinês eu sou cobra/serpente. Mês passado participei de um convenção que estabelecia que, independente de qual fosse meu ano de nascimento, minha idade em 2014 seria 28. =P

11. Qual o melhor sabor de Nissin Miojo?
Galinha caipira!

Eu não sei quais perguntas fazer, nem que pessoas escolher pra responder, então vou encerrar por aqui. Acho que não levo muito jeito pra essas coisas, mas me diverti tentando responder as perguntas da Rosali. Espero que ela não fique chateada por eu não passar à frente, e espero que isso traga a pessoa amada em 3 dias.

Até a próxima!

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Suco e Lettering

Neste último semestre, minha amiga Suco se matriculou numa disciplina de desenvolvimento de tipografia. Logo nas aulas iniciais, os alunos tiveram que fazer exercícios de desenho de letras em vários estilos usando penas caligráficas e tinta nanquim. Empolgada com os resultados da Suco, aceitei o convite para passar uma tarde na casa dela mês passado e tentar pegar um pouco de conhecimento por osmose, desenhar a toa e colocar a conversa em dia.

Foi neste dia que fiz a fanart de Rodentia! (foto retirada de: joyce_carmo)

Há algum tempo ela já havia feito alguns testes de lettering bem legais e com essa ida na casa dela, me empolguei e quis arriscar algumas coisas também. Começamos com alguns exercícios bem básicos, usando nanquim colorido e buscando referências de um livro (Suco, poderia deixar um comentário com o nome do livro, please?).

Usamos pena caligráfica de ponta chanfrada para fazer as letras.

Depois disso, discutimos sobre desenhar algo para colocar em prática o que aprendemos com os exercícios. Chegamos a conclusão que faríamos cartas de baralho com uma letra "A" bem firulenta. Foi divertido demais desenhar junto com ela e gastar as tintas todas! Ao contrário do exercício com pena, desta vez fizemos o desenho do contorno da letra antes de preencher com nanquim preto.

O meu foi de Copas, o da Suco de espadas.

Sem contar que acabamos passando depois na papelaria pra eu torrar meu capital com coisas que não precisava: nanquim verde e 100 folhas de papel branco, 120g/m². Já posso ficar 2015 todinho sem me preocupar com material de desenho, porque 2014 foi o ano da ostentação!

Em casa, ainda empolgada por conta do fim de semana, consegui desenvolver vários exercícios de lettering durante a semana. Nenhum deles ficou bom, mas valeram como exercício. Por causa do Inktober, boa parte das produções iniciadas lá foram parar na minha galeria.

Estudos, rabiscos descompromissados.

Para ver os exercícios finalizados de Lettering, usados como atividade do Inktober, veja minha galeria do Deviant Art. No Google imagens a gente acha milhões de referências e dá pra deixar a imaginação rolar solta. Foi bastante divertida essa experiência, pois foi algo que nunca arrisquei fazer antes, e agora é questão de prática para conseguir fazer algo bom. =)

Até a próxima! o/

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Todo mundo é criativo!

Para alguns, a palavra "criatividade" é um bicho de sete cabeças, e acham que ser "criativo" não é para qualquer um. Bom, não é por aí... Todo mundo é criativo. A criatividade não existe somente para desenvolver o campo das artes, mas sim da necessidade humana de resolver problemas. Criar é pensar com foco em alguma coisa/situação, fazer a cabeça trabalhar, simples assim. E acredito eu que pensar é algo que todos fazemos (ou deveríamos fazer) o tempo todo.

Como ser criativo?
Minha resposta seria: "estimulando seu cérebro". No contexto da minha vida profissional, a criatividade geralmente está associada à resolução de problemas comunicacionais, conectando informações de todo o estudo que fiz sobre o assunto com experiências pessoais, vivências, com a parte ferramental técnico - o famoso "mão na massa". Quem acompanha o Cappuccino vê vários exemplos do meu processo criativo para resolver um desenho. =)

Ultimamente tenho acompanhado as séries do tipo Masterchef e vejo claramente a criatividade rolar solta na cozinha. Os participantes muitas vezes se deparam com ingredientes novos, ingredientes limitados, ou coisas que nunca comeram na vida, e precisam preparar um prato requintado para ser avaliado por 3 chefes de cozinha renomados. Ou seja, problemas que precisam ser solucionados fazendo o cérebro trabalhar.

O que tem pra hoje?
Separei uns vídeos de palestras bem legais que falam sobre processo criativo e como a criatividade gera inovação. Cada vídeo tem cerca de 15 minutinhos, e são bem tranquilos de assistir.

Você é criativo? - Johnny Ferrari fala sobre a importância do olhar diferenciado


  Processo Criativo Gunddens - metodologia usada pelo humorista Murilo Gun

Como criatividade gera inovação - Martha Gabriel

Então, partiu botar a mão na massa?
Tô indo lá! Até a próxima! o/

domingo, 2 de novembro de 2014

Inktober 2014 (3 e 4)

Poxa vida, não consegui completar os 31 desenhos do Inktober. Tempo eu tive, mas me faltou a disposição que achei que teria nesse período. =/ Mesmo assim, considerei a experiência muito proveitosa e bastante produtiva! Foram 26 desenhos no total, usando materiais e temas diversos.

Para ver os resultados das semanas 3 e 4, clique na imagem acima.

Deu pra sentir o gostinho do #Inktober e saber no que melhorar ano que vem. É uma brincadeira bem séria, que faz valer a pena cada gota de tinta!

Até a próxima! o/

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Inktober 2014 (2)

Ao contrário da primeira semana do Inktober, em que trabalhei coisas desconexas, na segunda semana os motivos começaram a aparecer. Os dias 8, 9 e 10 foram inspirados por insetos que visitaram meu quarto; e a inspiração para os dias 11, 12, 13 e 14 veio de um final de semana que passei desenhando letras na casa da Joyce (falarei disso em outro post).

Desenhos da segunda semana. #Inktober
Clique na imagem acima para visitar a galeria.

O trabalho apertou e estou com alguns desenhos atrasados pra postar, mas assim que der jeito nisso, colocarei aqui no Cappuccino também. Lembrando que o tema do MDC de outubro também é Inktober. Não deixe de participar! =D

Até a próxima!

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Inktober 2014 (1)

Num belo dia, um cara chamado Jake Parker lançou ao mundo um desafio chamado Inktober, que consiste basicamente em fazer um desenho por dia, com qualquer tinta, durante todo o mês de outubro (Ink = tinta; October = Outubro; A+B... Entendeu né?), e poste em algum lugar usando a hashtag.

Clique na imagem acima para visitar a página do Jake Parker.
Regras, materiais, exemplos, etc.

Soube desse evento ano passado pela Joyce (Caixola) e fiquei doida pra participar, mas não pude, pois estava na fase de conclusão do meu projeto de graduação na ocasião. Maaaaaaaaaas, este ano, morrendo de ansiedade, contei os meses para dar outubro logo! No final de julho eu já estava falando de Inktober, porque fiquei bastante empolgada lembrando dos resultados dos estudos da Joyce, na série Rodentia

Ao contrário dela, que tem um projeto e está unindo o útil ao agradável, eu estou desenhando coisas um tanto desconexas. =P Até agora consegui manter o ritmo de produção e concluir um estudo por dia, que posto toda noite nesta galeria, e "tuíto" o link em seguida. Então quem me acompanha nessas redes, já tá ligado nos resultados.

Desenhos da primeira semana. #Inktober

Espero que você também se empolgue com o movimento mundial e participe!
Até a próxima!

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

#MDC 6 - Sepiatember

Inspirado pelo movimento "Inktober" (que consiste em fazer um desenho à tinta por dia durante o mês outubro), o tema escolhido para o MDC de setembro foi "Sepiatember", fazendo um trocadilho com as palavras sépia (nome chique da cor marrom) e September (setembro em inglês). A ideia seria trabalhar durante o mês um desenho apenas usando tons de sépia. No cappuccino de hoje vou focar o discurso mais para o processo criativo e desenvolvimento, uma vez que o resultado do meu estudo já está postado no grupo MDC-Brasil.

Detalhes do desenho.

Diferente do mês passado, que trabalhei a Mary Poppins com afinco durante os 30 dias do prazo, desta vez vacilei feio. Na verdade estive muito ocupada ultimamente resolvendo problemas de adulto, o que acabou bloqueando um pouco a criatividade e a vontade de desenhar, mas saiu!

Processo criativo:
Quando finalmente parei um pouco pra me dedicar ao desafio (semana passada), as buscas que fiz foram: lembranças de coisas, sentimentos e objetos com essa cor; em seguida pesquisei mais sobre o significado da cor e pensei em como poderia usá-la; e por fim, paletas diversas com tons de marrom para tentar reproduzir com os materiais de casa.

Trecho retirado do livro Psicodinâmica das cores em comunicação, página 104.

Paletas que achei, inclusive em imagens de estojos de maquiagem.

Depois da pesquisa, escolhi trabalhar com os aspectos de melancolia associados à memória e ao elemento terra. Enquanto pensava nessas coisas e rabiscava despretensiosamente um papel, me ocorreu fazer uma nova situação envolvendo aquela personagem do post quarta-feira de cinzas.

Desenvolvimento:
Agora eu não lembro muito bem o que estava passando na minha cabeça. Acho que nem estava preocupada em produzir para o MDC, apenas rabiscando, sabe? Mas ficou tão legal e bem resolvido (sim, um rabisco bem resolvido), que serviu perfeitamente para a ocasião.

Desenho pequeniniiiiinho e despretensioso.

Às vezes um desenho pequeno fica bem feito porque o espaço para trabalhá-lo é muito limitado, então é comum a gente se frustrar ao fazer o mesmo desenho um tanto maior. Neste meu caso não teve muito disso porque o desenho inicial já era muito ingênuo e eu detalharia mesmo a ampliação dele... Aí, peguei um papel maior e "re-rabisquei", já pensando certinho em proporções, enquadramento dos elementos e quantidade de planos. 

Rascunho elaborado.

O rascunho (e consequentemente o desenho final) é quadrado e tem 21cm de lado. Como não queria estragar o rascunho, fiz uma cópia dele para estudar onde entraria cada tom de marrom.

Estudo de cor, luz e sombra.


Depois disso, veio a parte da bagunça! Apesar de ter testado meus marrons de lápis de cor, resolvi trabalhar com Ecoline. Existe vários tons de marrom de Ecoline, mas eu sou mão de vaca misturei as cores que tinha aqui para chegar no sépia. [Receitinha rápida: preto + vermelho; vermelho + verde (azul + amarelo); Se quiser mais escuro, põe mais preto, se quiser mais claro, mistura água e seja feliz.]

Pra quem gosta, taí meu papel de teste das misturas.

Desta vez, finalmente usei papel pra aquarela (Canson 300g/m²)! A experiência de usar o papel adequado para a técnica é uma benção divina. rs Até então sempre tinha "dado um jeitinho", improvisando com papeis de gramatura mais elevada, não necessariamente de linha específica para tinta mais aguada... e vou continuar fazendo isso pra não gastar o papel bom e caro. rs


Etapas de colorização e finalização.


Você consegue aquele efeito no céu jogando sal grosso sobre o papel úmido, pois a pedra sal absorve a tinta e deixa pontinhos mais claros onde estavam. Viu? Além de temperar churrasco e curar mal olhado, sal grosso serve pra ajudar no desenho também. =)

Há mais algumas informações sobre esse trabalho aqui. Mais uma vez, o convite para participar do MDC está sempre aberto, basta ter uma conta no DeviantArt e pedir pra entrar. Espero que tenha sido útil relatar o processo criativo e as etapas de desenvolvimento, embora acredite que o tamanho do post tenha desanimado sua leitura. 

Vou lá pra mesa começar meu #Inktober.
Até a próxima!

terça-feira, 16 de setembro de 2014

Pokemon Black & White

Mais uma brisa pra fazer meu dinheiro voar: o mangá de Pokemon Black & White lançado há pouco pela Panini. Como estou bem perdida ultimamente sobre essas coisas de mangá, só soube da novidade porque meu amigo pediu ajuda para achar a revistinha nas bancas da cidade.

Capa do volume 1

Beleza, né... Quando achei na banca, comprei pra ele. Mas qual não foi a minha surpresa ao ligar pro danado do infeliz meu estimado amigo e descobrir que outro amigo dele já tinha arrumando o exemplar?! Xinguei, claro, e fiquei com o mangá pra mim. Devorei e estou ansiosa pro vol. 2!

Não sou fanática por Pokemon, do tipo que decora os nomes e evoluções... Verdade seja dita, só fiz isso enquanto só existiam 150 no total (151 se contarmos o Mewtwo), quando passava o desenho na TV, e quando só havia os jogos Red, Blue e Yellow - este tenho até hoje emulado no celular. Ok, admito! Pra uma não-fanática, até que gosto bastante. rs

Naquela época, era o único jogo que meu PC conseguia emular.
Hoje quem emula é o celular tijolinho. *suspira* 

Quando comecei a ler o Black & White me perguntei "cadê o Prof. Carvalho?" e "Quem é esse moleque parecido com o Ash?", mas como o mangá conta a história de outro menino e explica tudo direitinho, me deixei levar. O desenho é muito bem feito, a história (apesar de ser um repeteco de pegar insígnias e tal) é divertida, e, aos poucos, fui deixando de lado meu preconceito conservador.

Após leitura do mangá...

Ficou feio porque sou uma cabeça-dura incorrigível.

Comecei o desenho despretensiosamente, querendo usar só nanquim, e no fim inventei de usar aquarela pra colorir... num papel inadequado para a técnica. Resultado: cagou estragou tudo! Mas não desisti e refiz - porque "cabeça-dura incorrigível" pode virar "persistente" dependendo da situação.

Refiz o desenho em papel adequado e voilà!

No primeiro, que deu errado, usei apenas aquarela em pastilha da Pentel; no segundo, que deu certo, usei lápis aquarelável da Faber Castell no Pokemon e Ecoline no fogo. Os picos de luz foram feitos com nanquim branco. Aproveitei a empolgação pra fazer os outros dois pokemon iniciais desta série.

Pokemon "lagartinho verde", e pokemon "ursinho azul"! xD

Nesse segundo estudo usei algumas cores de marcador Tombow para preparar a base de cor e depois usei lápis de cor pra dar volume. Em vez de nanquim branco, usei caneta gel nos pontos de luz. A sombra cinza foi feita com marcador à base de álcool. Todos os desenhos foram feitos usando referências tiradas das páginas da hq, e pra colorir me orientei pela capa. Espero que os fanáticos por Pokemon me perdoem caso alguma coisa esteja errada. XD

Se você quiser rir um pouco do rico universo do jogo Pokemon, existe uma webcomic chamada Super Effective muito legal de se ler (mas tá em inglês). Choro de rir com ela!! No caso deste post se perder no limbo, também vou deixar o endereço ali do lado, em "Recomendo". 

Até a próxima! o/

domingo, 31 de agosto de 2014

#MDC Supercalifragilisticoespialidoso!

Sabe quando você está sem palavras para descrever uma emoção? Do lugar de onde veio Mary Poppins (na versão Disney), existe uma palavra que podemos usar em momentos assim: esta palavra é "supercalifragilisticoespialidoso".

Explicado o título deste post, vamos ao que interessa - o conteúdo. Em agosto, o MDC teve como tema "gender bender", uma brincadeira de transformação de gêneros dos personagens. Ficou acordado que poderíamos fazer a mudança de sexo em qualquer personagem conhecido, ou seja, não valia OC (original character) ou familiares, por exemplo. Como na época que o desafio foi lançado eu estava vivendo uma fase Mary Poppins, resolvi que ela seria minha vítima.

Afinal, quem é Mary Poppins?
Embora muita gente conheça por causa do filme, ela é originalmente uma personagem de uma série de livros da escritora P. L. Travers. Mary Poppins é uma espécie de babá bem diferente, às vezes fria demais, correta demais, mágica demais... e, com o guarda-chuva aberto, é carregada pelo vento.

Meu MDC.
Os primeiros estudos que fiz depois de definir os personagens que trabalharia a inversão de sexo foram "de cabeça", isto é, sem uma referência para consultar. Tudo que tinha era a memória do filme que assisti há alguns meses.

Mary Poppins e Bert - estudos mais crus.

Como as personagens eram, no filme, pessoas de verdade (Julie Andrews e Dick Van Dyke), senti necessidade de estudar melhor a fisionomia dos atores usando referências fotográficas. Além disso, me propus assistir novamente ao filme. Tipo, eu precisa entender como as pessoas seriam se fossem um desenho, para poder desenhar a versão feminina e masculina invertida deles. Tá sacando a roubada em que fui me meter?

Segundo estudo, usando referências antes da inversão de gênero.

O segundo estudo me agradou muito mais! Até comecei a arriscar uma "Berta" e um "John Poppins" com mais confiança para inserir movimento neles. Minha inspiração foi uma das cenas do filme (que existe também no livro) mostrando um passeio das personagens em um cenário desenhando.

Estudo de movimento das personagens com sexo trocado.

Durante os estudos senti necessidade também de ler o livro, porque queria ter a minha própria interpretação das personagens, saber como era a personalidade original delas. O filme apresenta a interpretação Disney da coisa toda, e eu queria chegar as minhas próprias conclusões.

Cheguei até a procurar o livro físico para comprar, mas só achei disponível a edição da editora Cosac Naify, cujo projeto gráfico não me agradou muito. Procurei as ilustrações originais do livro em inglês e anexei tudo na pastinha de referências.

À esquerda: ilustrações originais do livro. À direita: ilustrações de Ronaldo Fraga para Cosac Naify.

Depois de ler o livro, fiquei em dúvida se refazia tudo do zero, considerando apenas a Mary Poppins e o Bert originais, ou se continuava seguindo a interpretação Disney. Apesar de ter absorvido bastante coisa do livro, resolvi continuar na linha Disney, pois foi como conheci a história - e talvez como muitas outras pessoas aqui no Brasil conheceram.

Mais alguns estudos explorando movimentos e personalidade.

Ainda não estava plenamente satisfeita com o processo de "cartunização" e continuei procurando outras formas de representação. Passei quase o mês inteiro trabalhando nisso, um pouquinho todos os dias, nas horas livres do trabalho, e em alguns momentos dentro do ônibus.

Nesse estudo eu já estava pensando numa possível animação. xD

A essa altura do campeonato eu já estava saturada de Mary Poppins e fiquei quase uma semana só lendo o livro, sem desenhar nada. Todavia (olha eu usando a palavra "todavia") quando voltei ao desenho, me surpreendi com o resultado. Parece que o hiato fez bem e consegui um resultado melhor.

O último estudo das personagens antes de partir pro esboço.

O desenho do Bert, na imagem acima, foi graciosamente colorido por G., meu amigo pessoal e afilhado-por-tabela de 5 anos de idade! Ele estava insistindo para colorir a Mary Poppins também, mas foi facilmente persuadido a desenhar um Ben10 no caderno de desenho dele.  xD

Os finalmentes
Desisti de trabalhar também o Bert e foquei apenas na Mary Poppins. Adotei a última versão do estudo como base para inverter o gênero, e procurei não trabalhar imagens comuns, como ela sendo carregado pelo vento.

Optei trabalhar uma cena do filme que me pareceu bastante curiosa: a que Mary Poppins começa a retirar objetos grandes de sua pequena bolsa (um beijo, Hermione), fazendo as crianças ficarem admiradas. Ora, acho que isso espantaria até os adultos normais...

Esboços de duas versões da mesma cena.

No fim das contas, concluí que escolhi o caminho mais difícil para uma coisa simples. Muitas vezes me queixei de ter feito uma burrada escolhendo trabalhar com pessoas de verdade, mas fui cabeça dura e não desisti. Talvez fosse melhor trabalhar a cena icônica do vôo de guarda-chuva, facilitando o reconhecimento da personagem, mas nãããão... Lá fui eu trabalhar outra cena da história...

Desenho finalizado.

Na finalização usei caneta nanquim, aquarela em pastilha, lápis de cor para textura de camurça na bolsa e na fita do chapéu, e caneta gel branca para picos de luz nos sapatos e calça; papel para desenho Canson, 120g/m². Ainda estou na dúvida se gostei do resultado - pra variar. Como resultado de estudo, está ótimo, mas não sei se cumpriu com o quesito "fácil identificação".

O post ficou muito mais longo do que previa... Agradeço imensamente a você que teve paciência para ler tudo, e espero que tenha contribuído de alguma maneira para seu processo criativo. Uma boa pesquisa antes de desenhar ajuda muito a seguirmos o caminho para o melhor resultado, mesmo que neste caminho a gente tropece algumas vezes.

Até a próxima! o/
Espero você no próximo #MDC.

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Super Vicki

Quem já assistiu Super Vicki (Small Wonder) levanta a mão! (^-^)/ Provavelmente seja um seriado desconhecido para a maioria de vocês, mas essa série marcou minha infância! Contava a história de uma família (os Lawson) que tinha em casa uma robô com corpo de criança.

Elenco da série. Vicki é a menina de avental.

Eu assistia sempre que ia na casa da tia da minha mãe, então é o tipo de coisa que aguça a memória afetiva de maneira muito forte. Como eu era muito criança e não sabia ainda a programação da TV, achava que só passava na televisão da casa dela! XD Fora que eu acreditava mesmo que Vicki era uma robô de verdade! O painel nas costas dela, com os circuitos e luzes piscando, me encantava...

Recentemente achei, por acaso, episódios da série para assistir e estou viciada novamente nesse trem. Por mais que fosse ruim (se comparado às super produções cinematográficas dos seriados atuais), as historinhas de cada episódio são divertidas e engraçadas. E lógico, rever a série me empolgou também pro desenho!

Rascunhos da Vicki

À esquerda da imagem acima está o esboço mais "sujo", com apenas a ideia principal do desenho, pose, roupa, quantidade de cabeças (fiz com 4 cabeças e meia, pois Vicki tem a aparência de uma criança de 11 anos). Do lado direito, o esboço mais "limpo", ou seja, pronto para ser trabalhado com arte final.

Depois de limpar o desenho, observei que as linhas ficaram bem delicadas e pensei que talvez fosse uma boa ideia usar aquarela para colorir. Viajando um pouco na maionese Deixando a imaginação tomar conta da situação, a suavidade da aquarela dá para a Vicki uma certa delicadeza que falta nos robôs dos anos 80, e claro, seria também uma ótima oportunidade de testar o meu novo pincel com reservatório.

Etapas da colorização - com direito o estouro das cores pelo escaner no último quadro.

Usei Ecoline para colorir, caneta nanquim para finalizar as linhas e caneta gel branca para fazer os pontos de luz e as bolinhas no vestido. O papel utilizado foi Canson Desenho "C" à grain, 180g/m², da linha estudante. Ele aguentou aguadas sem envergar, então acho que vale a pena o investimento. =)

Fico por aqui, porque o post já está imenso. Até a próxima! o/

domingo, 24 de agosto de 2014

Gambiarra - Pincel com reservatório de água

Existe nesse mundo uma ferramenta maravilhosa chamada Pincel com reservatório. Como o nome já diz, é um pincel que possui um reservatório acoplado nas cerdas, que você pode deixar cheio de água e molhar constantemente a ponta do pincel sem precisar ficar mergulhando ele num copo o tempo todo. A ferramenta, além de ser de grande valia aos preguiçosos, permite que o "artista" leve suas aquarelas pra lá e pra cá sem precisar carregar na bolsa um volumoso recipiente para encher de água.

Pincel com reservatório da marca Sakura, linha Koi.

Não é um item caríssimo (está na faixa de uns R$18, e o preço varia de acordo com o tamanho), mas é um investimento a ser feito com material de desenho/pintura/etc que eu fico adiando. Na verdade, não é algo que preciso ter, e eu só teria pela possibilidade de tirar onda pintando com aquarela numa viagem de ônibus até a casa da Suco, por exemplo. E bom, as minhas vizinhas de blog têm e fazem uma propaganda danada!


Da esquerda pra direita: materiais da Débora, Silvia e da Suco.
Clique na imagem para ler a postagem no blog de cada uma delas.

Aí, neste final de semana, num curto momento de ócio, encontrei: um pincel velho no porta pincéis; uma caneta esferográfica seca (dessas com tubo de acrílico) no porta lápis; cola adesiva e cola instantânea numa das minhas gavetas... Se você costuma ler o Cappuccino, já sabe o que fiz em seguida.

A Gambiarra:
Primeiro, com ajuda de uma goiva, separei as cerdas do cabo do pincel; depois desmontei a caneta e reservei todas as peças (tampas, carga e tubo).

Tive cuidado de cortar o pincel sem danificar a base das cerdas no alumínio.

Em seguida, encaixei a ponta de alumínio das cerdas do pincel no tubo da caneta, no local onde ficaria a ponta dela. Feito isso, usei cola instantânea para fixar as peças e cola adesiva para vedar os buracos do tubo. Mas não pode ser vedado aquele buraco de cima do tubo, pois é por ali que a água vai entrar, sacou?

Em função do modelo da caneta usada, precisei tapar os furos que tinha na tampa superior do tubo.

Uma pausa para falar de Física - aquela matéria que te fazia tirar 1,5 numa prova valendo 10.
Se tiver algum físico de verdade lendo isso, saiba que sou mais ou menos leiga no assunto e tentei explicar a coisa de maneira simples.


Bada bim, bada bum! Agora você sabe como um pincel com reservatório funciona.
Mundo de Beakman é nóis! 

(E se alguém, por ventura, quiser ler mais a respeito, procure fluidos no livro de Física mais próximo.)

O teste!
Esperei um tempão a cola secar, enchi o tubo de água, fechei a tampinha de cima e chequei se havia algum vazamento. Estava tudo ok, com uma aparência horrível, mas ok.

 O teste de qualidade...

Peguei uma caneta aquarelável e fiz um círculo no papel, daí usei o meu super-mega-ultra-blááááster pincel com reservatório pra aquarelar. Funcionou muito bem! Fiquei feliz com o resultado da minha gambiarra hoje. Tenho certeza que será muito limitado o uso dele, mas espero que eu consiga usar bastante e que nenhum acidente aconteça (molhar minha mochila toda, por exemplo).

Atenção: não façam isso em casa!
Acho prudente avisar que as gambiarras mostradas neste blog são apenas demonstrações de como eu resolvi (ou tentei resolver) algo mão-de-vacamente. Meu conselho é que façam as coisas do jeito correto e seguro, seja comprando um produto confiável ou procurando assistência técnica do fabricante. Obrigada.