terça-feira, 16 de maio de 2017

Recorte e colagem - A margarida friorenta

Oi, tudo joia?
Essa semana desbravei o mundo dos recortes e colagens. Tanto na plataforma Behance quanto nos perfis do Instagram, achei artistas e designers trabalhando com diversas técnicas com papel em seus projetos: quilling, mosaicos, origami, kirigami.... Uma porção de coisas lindas!

Esquerda: wingfy // Direita: Cyla Costa

A imagem acima mostra um perfil no Instagram e um projeto no Behance que me deixaram bastante empolgada. Se quiser visualizar melhor cada um, linkei os projetos nas respectivas legendas, é só clicar.

Não tenho afinidade com esse tipo de técnica, nem tive oportunidade de trabalhar ainda em um projeto que permitisse essa experiência. Mas fiquei tão entusiasmada, que resolvi fazer uma experiência rápida por conta própria, com base nas ilustrações de um livro que li na infância.

Capa do livro A Margarida Friorenta

Não sei se esse livro era da minha mãe ou da minha tia, mas eu lembro que adorava ficar olhando as ilustrações dele (feitas por Lila Figueiredo) e tentando copiar. Conta a história de uma margarida que sentia frio durante a noite no jardim, e que com a ajuda da Borboleta Azul conseguiu entrar na casa de uma garotinha chamada Ana Maria. Escolhi a página em que a margarida e a borboleta conversam para base do estudo.

Página escolhida e anotações sobre o que deveria ser feito.

Foi difícil pra caramba trabalhar com recorte e colagem. Cortei muita coisa errada, colei meus dedos todos, passei um tempão brincando de homem aranha desgrudando cola da mão... Foco zero. Como eu não conhecia a técnica nem tinha as ferramentas necessárias para deixar o processo mais rápido, passei o dia inteiro fazendo essa ilustração. Confira o processo:

Tentativa de cenário.

Fiz várias camadas de papel recortado para simular as ondas de tremedeira da margarida com frio. A ideia seria encaixar a margarida nesse fundo. O problema é que exagerei nas proporções da flor e o resultado não ficou muito legal...

Tentei consertar colocando um outro fundo por trás de tudo, mas não gostei.

No post anterior eu falei que precisamos desapegar do testes, lembra? Aí eu desapeguei disso, desmontei quase tudo e segui em frente com um plano B.

Resultado do estudo.

Esqueci de fotografar o processo da borboleta. Foi praticamente a mesma coisa, recortes, colagens, e as manchas nas asas eu fiz com tinta branca.

Aplicação em uma moldura.

Se eu fosse repetir, ou trabalhar em melhorias, acho que mudaria novamente a solução do efeito de tremida. Ainda não fiquei satisfeita com ele. Acho que se fizesse aquelas camadas do começo, numa escala maior, ficaria mais bacana. Infelizmente o papel nessas cores do fundo acabou e não dá para repetir o processo. Vai ficar pra outro dia. rs

Ter me arriscado a fazer esse estudo me fez perceber que eu não sou tão sem jeito como pensei. Até que ficou legal. Claro que, tendo material correto e um prazo decente, é possível fazer algo melhor. Valeu super a pena essa tentativa de sair da zona de conforto e trabalhar com colagem.

Penso também que, além do rico uso na publicidade ou como ilustração de livro, essas técnicas são um ótimo exercício para se fazer com crianças em casa ou na escola. Estimula percepção de cores e das formas, trabalha mudanças de planos, faz entender o comportamento de luz e sombra nas superfícies... Fica a dica!

Espero que tenham gostado.
Até a próxima! o/

6 comentários:

  1. Gostei muito, Nane! Adoro essa técnica!
    Curti seu resultado, e concordo sobre a ideia da representação da tremedeira. A primeira parecia que ficaria muito legal!
    Super acho que você podia investir mais nisso, acho que sairia muita coisa banca! :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei GK! Muito obrigada pelo apoio.
      A experiência foi divertida, mas preciso dar uma passadinha na papelaria antes de me aventurar novamente. Quando puder, venha tomar um cappuccino comigo.

      Excluir
  2. Oi Nane! Olha eu aqui novamente!! Sabe o que eu acho? Lindo!! Ficou muito lindo seu trabalho! Eu ensinei arte para crianças e adolescentes por muito tempo e realizava muitos trabalhos de recorte e colagem com eles. É muito bacana! Sobre a cola, o ideal é ter sempre um paninho úmido à mão para limpar os dedos e com cuidado e quando possível também o trabalho que se executa. Quer sujar as mãos de verdade? Vai trabalhar com papel machê, rs... que eu também amo, mas é assim mesmo, faz sujeira...
    Sobre aquela artista do post anterior que comentei, é uma talentosíssima mesmo, já expôs várias vezes,uma italiana de 26 anos, também fiquei encantada com os trabalhos dela.
    Nane, voltando à margarida e à borboleta, gostei muito de verdade... bjo! Ciao! Ciao! Meire

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que depoimento fantástico, Meire! Eu adoro quando as pessoas deixam dicas de como melhorar. Da próxima vez terei um paninho úmido ao lado, com certeza. Papel machê é um nível acima das minhas habilidades rsrs. Mas vou tentar qualquer hora dessas e, com certeza, postarei o resultado.

      Obrigada pelas dicas! Bjo.

      Excluir
  3. Adorei! Foram ótimas tentativas! Eu também adoro recorte e colagem, mas nunca tentei. Confesso que seu post deu até uma vontade de tentar <3 Parabéns! Continua praticando que aposto que você vai fazer coisas maravilhosas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Mayara! Vou continuar tentando sim. <3

      Excluir