sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Quero desenhar! Como começo?

Antes de tudo
Eu costumo dizer que "querer é meio caminho andado para conseguir". Então, se você quer desenhar, vença a próxima etapa: a que te leva ao objetivo. Há vários caminhos para se começar a desenhar, cada pessoa desenvolve o próprio método de aprendizagem, não é algo que se possa estabelecer como receita de bolo.

Há nas bancas uma infinidade de apostilas de desenhos.

Como sempre, vou deixar claro que as dicas que adiciono no Cappuccino são frutos da minha maneira de resolver determinadas situações, sobretudo baseada em minhas próprias experimentações a partir de leituras, pesquisas, análises, vivência, etc, sobre determinado assunto.

Outra coisa
Não fique comparando o seu trabalho com o de um Mike Deodato da vida... Pode até tê-lo como uma de suas referências, mas seu trabalho deve ser comparado primeiramente ao seu antes e seu depois. Se você está melhor do que antes, ótimo!

Um exemplo do meu antes (esquerda), em 2010, e depois (direita), 2012.

Como começo?
Como começar eu não sei, pois não me lembro como comecei... foi há tanto tempo! Mas elaborei um roteiro de estudos e vou compartilhar com vocês aqui. Prontos? Peguem lápis e papel, ou mesa digitalizadora, que a labuta vai começar agorinha mesmo!

Etapa 1: Ritmo - Risque, rabisque e passe por cima!
Solte o braço! Desenhe retas horizontais, verticais, inclinadas, da esquerda para a direita, da direita para a esquerda; curvas, círculos, triângulos; formas geométricas, formas orgânicas. Gaste pelo menos meia hora do seu dia fazendo um aquecimento desse tipo... Ah! Nada de réguas ou segurar Shift nessas horas, ok? Se as retas não ficarem retas, não há problema! Com o tempo isso melhora.

Sobre o "passar por cima" eu me refiro a pegar um desenho pronto de alguém e colocar um papel vegetal ou criar uma layer por cima e copiar. Lembra na escola, quando você estava aprendendo o alfabeto e passava por cima de letras pontilhadas? É mais ou menos isso. E, ainda usando o exemplo das letras, escolha estilos de desenhos variados, afinal de contas ninguém quer passar o resto da vida escrevendo só a letra A ou B.

Isso aqui é o quero dizer com "Passar por cima"

Pegue um personagem de Dragon Ball Z, com linhas mais marcadas e formas pontiagudas para desenhar num dia, no outro dia você desenha personagens da Turma da Mônica, que são mais redondos... e vai alternando para aquecer mesmo. E não invente upar o resultado disso num portfólio, já que você não consegue ainda desenhar um personagem desses sozinho. Lembre-se: Você está passando por cima!

Etapa 2: Exercício - Observe, construa e desconstrua!
Esta próxima etapa fez muita diferença no meu antes e depois. Passei pelo Desenho de Observação quando entrei na UFES, porque é matéria obrigatória do primeiro período. Aqui aprendemos a observar as coisas e reproduzi-las no papel usando grafite (de lápis ou lapiseira) de diferentes graduações: HB, 2B, 3B, 4B, e por aí vai.

Graduações de grafite

Primeiramente o estudo é feito desenhando o objeto e colocando nele a sensação de volume, ou seja, as passagens de luz e sombra. Isso pode ser feito não só com objetos, mas estudos de anatomia desenhando modelos vivos, ou reproduzindo fotografias.

Fiz este estudo usando lápis de cor azul aquarelável

Will Eisner disse que para se desenhar uma porta, é preciso entender como a porta funciona, independente se o estilo do desenho for realista ou exagerado humoristicamente. No caso dos objetos desenhados, ele diz que "o leitor sabe como devem funcionar e reagirá de modo negativo se você errar.". - Tirei a informação do livro Quadrinhos e Arte Sequencialeditora Martins Fontes.

Então, vamos estudar como construir para saber desconstruir.

Etapa 3: Treino - Crie, desenhe, mostre, estude, refaça!
Talvez a mais difícil das 3 etapas seja esta última, porque não dependemos só de nós mesmos para avaliarmos o quanto progredimos. Precisamos da opinião dos outros! Daqueles que entendem do assunto e podem criticar o nosso trabalho justificando a crítica (e acredito que fazer diferenciação entre "construtiva" e "destrutiva" seja desculpa de noobie - crítica é crítica e ponto).

Se receber um "nossa, ficou muito bom!", pergunte por quê. Se receber um "Ficou ruim!", pergunte por quê. A pessoa que disse que aprendemos com os erros está certa, mas também podemos aprender com os acertos se eles nos forem apontados.

Não desanime com um "essa perna que você desenhou está desproporcional." - pesquise anatomia da coisa que você desenhou, estude aquilo, volte para o desenho de observação, aprenda a estrutura de uma perna (ossada, musculatura, articulações), desenhe muitas pernas, refaça seu desenho, mostre novamente... e repita o ciclo quantas vezes for preciso. Afinal, você quer ser bom, não quer?

Crie um blog, uma galeria no deviantArt, um álbum no Facebook para que seus conhecidos possam ver e criticar seu trabalho. Mas vamos combinar que opinião de mãe e de melhor amigo não conta, tá? Eles costumam roubar a seu favor!

Fiquem a vontade para me mandar links com o resultado. Gostaria muito de visualizar o processo! Caso o trabalho seja upado no Facebook, por favor deixe o álbum aberto para que eu possa ver, porque eu não tenho perfil lá. XD

Bom trabalho e até a próxima! o/

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Grande Mac!

Macbeth

Que eu gosto de livros e quadrinhos não é segredo algum! Todos sabem disso, até quem tem a infelicidade de pegar o ônibus no mesmo horário que eu. Quando a leitura envolve os dois - adaptação de um livro para quadrinhos -, a coisa fica ainda mais interessante!

Geralmente as adaptações para quadrinhos são feitas não só para estimular a leitura, mas também como forma de popularizar um certo livro. Há vários trabalhos desse tipo no mercado, os quais ainda não tive a oportunidade de adicionar a minha biblioteca particular, mas folheei inúmeras vezes nas livrarias. O motivo de não ter feito isso ainda é gostar de ler a obra original antes de ver suas adaptações, independente da mídia (filme, série, quadrinhos, jogo, etc). Acontece também de encontrar coisas que já li, mas as vezes o traço do ilustrador não me agrada tanto... aí acabo deixando pra lá.

Uma das editoras que investem nisso é a Editora Nemo, que já publicou nomes da literatura mundial, como Júlio VerneWilliam Shakespeare, e há alguns dias foi anunciado por ela o lançamento de Macbeth para a série Shakespeare em Quadrinhos.


Terminei ontem de ler Macbeth (livro) publicado pela L&PM e agora estou ansiosa para ler a versão em quadrinhos por vários motivos: adoro Shakespeare; conheço o ilustrador; gosto de adaptações; estou curiosa para saber como os personagens foram desenhados; quero conhecer o trabalho da roteirista e saber se fez uma boa adaptação; etc.

Recomendo a leitura das obras de Shakespeare, galera! Macbeth é uma das minhas preferidas.
Até a próxima! o/