sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Desenho, nanquim e marcadores

Que saudade senti do cheiro de nanquim!

No Cappuccino anterior mostrei os desenhos resultantes do teste com lápis de cor apagável da Ecole, que a Suco (Caixola) trouxe pra eu ver. Quando fiz os desenhos, já tinha em mente finalizá-los com tinta nanquim, quero dizer, nada de caneta nanquim descartável e sim nanquim líquido.
 
Esquerda: lápis de cor apagável Ecole; Direita: bico de pena e nanquim 

A última vez que mexi com tinta nanquim foi quando inventei moda e fiz aquela caneta de bambu. Há muito tempo não uso bico de pena de metal e apanhei bastante pra que a linha não ficasse tremida desta vez.

Fiz o preenchimento das áreas pretas utilizando um pincel redondo de pêlo de marta. Esses "x" no desenho é usado na linguagem de arte-final para marcar as áreas que serão completamente preenchidas com nanquim.

Sujei meu braço todo fazendo isso!

Quando o desenho vai ser fotocopiado, o resultado sai igual independente do material que você usa no preenchimento de preto; mas quando o processo de finalização conta também com digitalização dos desenhos, pelo menos pra mim, fica mais fácil trabalhar quando o preenchimento é feito apenas com nanquim. Mas acho que isso vai da preferência de cada um...

O que mais gosto da tinta nanquim é o cheiro brilho e o relevo que ela deixa no papel. 

Brilha, brilha, nanquinzinho! ~ ♪

Não dá pra conseguir manchar o papel com aguada depois que a tinta seca completamente, e mesmo querendo colorir com marcadores à álcool, deixei um bom tempo secando. Maaaaaas, acho que não foi o suficiente, pois alguns pontos mancharam mesmo assim! xD

Marcadores Promarker e Magic Color sobre papel branco 130g/m²

O resultado foi esse aí em cima. Fiz umas sobreposições de marcadores de marcas diferentes, e o resultado das misturas ficou bem legal. Por fim, usei a caneta gel branca para corrigir alguns borrões, iluminar um pouco mais, e assinar o desenho. ;)

Até a próxima!


14 comentários:

  1. Ficou bonitão o resultado, Nanika! Parabéns!

    Eu não entendi muito bem o que você quis dizer quando comentou sobre processos de reprodução e o tipo de nanquim utilizado. Qual é o tipo de interferência? O quão preto fica uma mancha feita com nanquim em detrimento às feitas com canetas nanquim diante da exposição à luz do scanner/fotocopiadora?

    Um método que eu uso pra tentar ficar menos suja quando trabalho com técnicas "molhadas" é começar a aplicar o material do canto superior esquerdo e descer até o canto inferior direito (considerando que eu sou destra). Dessa forma evito que meu braço fique passando nos locais que estão com tinta úmida e faz menos sujeira, mas ainda assim as vezes é meio inevitável! ^^

    Enfim, aposto que você manja desses paranauê todo aí... só comentando mesmo! :P

    Mais uma vez, parabéns pelo resultado! Ficou bacanudo! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Sukito!

      Sobre a dúvida: Notei que dependendo do material, o tom de preto escaneado muda completamente e fica difícil igualar os tons depois mexendo em curvas e níveis da imagem, por exemplo. Tem a opção de selecionar a área e pintar de preto, mas convenhamos que é retrabalho. Já na fotocopiadora, o que não é branco é lido como preto... então tanto faz.

      Sobre o método pra finalizar sem borrar: independente de qual usar, vou sujar tudo, vou me sujar, vou sujar a mesa... sou desastrada demais. xD

      Obrigada pelo comentário! rs
      Vou ver se uso esse desenho pra alguma coisa depois.

      Excluir
    2. Entendi, Nanika!

      Eu reparei essa coisa dos tons de nanquim também, mas acho que em parte o tipo de papel também contribui. Por exemplo, tenho a impressão de que naqueles papeis texturizados que finalizei os ratinhos a tinta fica mais concentrada do que nos blocos que tenho da Filipaper.

      Mas nada disso é comprovado. ^^"

      :D

      Excluir
    3. Acho que depende muito também sobre como se passa a tinta no papel. Porque a tinta deve se comportar no papel igual molho no macarrão, saca? Se o papel é mais liso, a cobertura é mais fina; se o papel tem textura, a tinta entra nas cavidades.

      Depois podemos brincar de Myth Busters pra descobrir o que de fato acontece entre tinta e papel. xD

      Excluir
    4. Eu acho que tem tudo a ver metáfora do molho e do macarrão! No papel de textura a tinta não sangrava como sangra no Filipaper 140g/m²!

      Descobri que gosto mais de papel com textura! lol

      Não sei se tenho muito jeito pra Myth Buster, mas topo a brincadeira! XD

      Excluir
  2. Respostas
    1. Ei Cris!
      Muito obrigada pelo seu comentário. =)

      Excluir
  3. Bom, vamos lá
    Eu gostei do resultado do trabalho. Acho o máximo quem consegue criar. Ainda estou no processo de CTRL C e CRTL V, só que ao invés de teclado é no lápis mesmo. Me sinto uma copiadora..rs Embora, eu amo demais desenhos de observação. Acho que não os largarei nunca..rs.

    Quando usamos o naquim, não dá p/ usar outra tinta depois pq ele pode borrar? Então, pq o naquim é usado p/ finalizar? Confusa... É que iniciei uns estudos com nanquim puro e aguado e nunca pensei em usá-lo com outras tintas ou outros materiais....

    Pode explicar a metáfora do molho e do macarrão de novo?..rs

    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Silvia! Vamos que vamos!
      Fazer desenhos de observação e cópias não é uma coisa ruim. Tudo isso fica gravado na nossa cabeça como repertório visual e vai chegar uma dia que de tanto desenhar uma coisa, você já não precisará mais de um modelo pra desenhar a coisa de novo.

      O negócio do nanquim é o seguinte: pra passar outra tinta sem manchar, ele precisa ter secado completamente. Quando a tinta nanquim ainda está úmida, dá inclusive para fazer aguadas, mas depois que ele secar, já era! Nanquim é usado para finalizar por ser uma tinta de boa cobertura, por ser impermeável (depois de completamente seca), por ser resistente, etc etc... ;)

      Existem vários tipos de macarrão, certo? Cada um possui uma textura diferente e, em função dessas texturas, absorvem mais ou menos molho. O espaguete, por exemplo, tem a superfície toda lisa e o molho fica só por ali; já o macarrão parafuso prende um montão de molho nas voltinhas que faz. Quando a gente passa tinta num papel liso (layout, por exemplo), a cobertura é superficial e a tinta não entra muito na fibra; quando entintamos um papel mais texturizado (os próprios para desenho artístico, por exemplo), a tinta penetra nas cavidades do papel.

      Pouca gente se atem a isso, mas até mesmo nas resmas de papel sulfite que compramos para impressora há um lado da folha mais liso que o outro - que é o lado preferencial para impressão. Essa informação consta na embalagem do produto.

      Abs

      Excluir
  4. Hummmm.... Entendi Nane. Realmente nunca me atentei ao lado da folha de sulfite. Bom saber. Ficou bem claro o "negócio do nanquim". Esses dias fiz um desenho com aguada e fiquei morrendo de medo de borrar, mas acabou dando certo. Tem sido bom e divertido experimentar livremente o nanquim. Quero experimentar também com lápis aquarelável e permanente. Iniciar uma mistura de técnicas...
    Obrigada pelos esclarecimentos.
    Abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Silvia! Por nada, imagina.
      Achei bem interessante aquele chapéu que você fez com aguada de nanquim. Sobre trabalhar usando técnicas diferentes e mistura entre elas, tenho um livro muito legal sobre o assunto, que você já deve conhecer, chamado Materiais e Técnicas - Guia Completo.

      Aguardo suas experimentações! o/

      Excluir
  5. (Se prepare Nane chan, pq vou lotar sua caixa de emails com tantos coments xD)

    Ah, que bom q vc pensou em finalizar esse desenho! Ficou mais bonito ainda <3
    O céu do desenho vc fez pintou com marcadores? Pq nem parece!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. (Hahahhaha de boa! Eu desabilitei o recebimento de e-mail)

      Usei marcador para fazer o céu sim, Promarker - Pastel Blue (C719). É um azul bem clarinho, lindo lindo lindo! Eu gosto muito da cobertura uniforme dos marcadores Promarker...

      Excluir