quarta-feira, 10 de maio de 2017

Coloridos fantásticos e onde habitam

Na vida de quem desenha existem problemas diferentes que pessoas normais não entendem, como por exemplo o medo de estragar um desenho pintando errado. Quem nunca deixou um desenho em preto e branco com receio de colorir e se arrepender? A pessoa que consegue passar o nanquim já é bem corajosa, né? rs

Antes de ter uma mesa de luz, ou os outros recursos digitais que tenho agora, ficava com medo de perder um desenho e acabava não evoluindo as etapas dele. Claro que existem excelentes técnicas de desenho finalizado somente à lápis, ou à nanquim, etc, mas não podemos usar técnica como desculpa para não transpor barreiras.

Pensando nisso, resolvi fazer um cappuccino com três dicas de como tornar esse processo de "desbloqueio" mais fácil. Tá tudo detalhado, o post vai ser gigante, mas espero que goste.

1. Leia sobre teoria da cor
Há um bom tempo, um camarada chamado Isaac Newton, conhecido pela história da maçã e gravidade, descobriu que um prisma era capaz de dividir a luz em um espectro de cores. Pensou que foi Pink Floyd com a capa de dark side of the moon? Não. Foi Isaac Newton mesmo. Sabe como é, né... Na época não tinha Netflix nem Facebook, então as pessoas acabavam fazendo esse tipo de coisa pra passar o tempo.

Voltando ao que interessa, essas cores são as cores do arco-íris, e Newton as organizou em um disco, na seguinte ordem: vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, anil e violeta. Esse experimento originou o disco cromático que usamos em artes, porém, o de Newton fragmenta a luz branca em cores, e o outro disco estuda a mistura das cores pigmento (magenta, amarelo e ciano - também conhecidas como cores primárias) para obter as cores derivadas.


Fiz esse disco cromático para melhor entendimento do que seriam essas misturas de cores. Cores secundárias são as cores obtidas nas misturas entre as cores primárias. As cores terciárias, por sua vez, são obtidas entre as misturas de primárias com secundárias.

Agora, vou apresentar o esquema de relação entre as cores desse disco. Existem dois tipos principais de relações entre as cores: analogia e complementariedade. Cores análogas são aquelas que possuem estrutura parecida em relação à composição, ou seja, uma série de cores que possuem uma cor base em comum. Um jeito mais fácil de entender é olhando o disco. As cores "vizinhas" são sempre análogas, harmônicas entre si.



Já as cores complementares são aquelas opostas no disco cromático. Isso quer dizer que é uma cor formada por duas cores primárias, menos a cor que compõe a sua oposta. Bagunçou... Vou dar exemplo: roxo é complementar do amarelo, ou seja, a mistura que se tem para obter a cor roxa leva todas as cores primárias, menos amarelo.


Para explodir a cabeça agora, heim: existem ainda as cores semi complementares, que são as cores análogas da cor oposta. A cor complementar de roxo é amarelo; laranja, que é análoga de amarelo, é uma cor semi complementar de roxo. Entendeu? O uso de semi complementares possibilita contrastes mais suaves em uma composição.

E por último, não menos importante, a relação entre temperatura. "A máxima prevista para o azul nesta tarde é de 20°C com mínima de 15°C" Nããããoooo.... Não é isso! As cores podem ser classificadas entre cores quentes e cores frias.


A classificação entre quente e frio vem lá da Física, com o comprimento de onda das cores. Quanto maior, mais quente, e quanto mais curto, mais frio. Dúvida? Pensa nos dois cenários: um deserto de areia e montanhas nevadas - qual é quente e qual é frio? Qual a paleta de cores de cada um?

Observe estas imagens do concept art do filme O Rei Leão:

Do artbook - The Art of the Lion King

Na imagem da esquerda, as cores complementares foram usadas para destacar figura e fundo de uma cena alegre, em que as cores análogas e quentes dão ênfase a um momento feliz e divertido do filme. Na imagem da direita, uma paleta com cores análogas e frias foi usada para deixar o cenário do cemitério de elefantes sombrio e assustador.

Com base nesses conhecimentos sobre cores, você pode montar a sua própria paleta para colorir seus desenhos. Pense na sensação que quer passar, pense nas características do seu personagem... o que nos leva a dica número dois.

2. Faça cartelas de cores
Que materiais você tem em casa para colorir? Não importa se é tinta, canetinha, lápis de cor, todo material de pintura tem o mesmo valor e peso quando sabemos explorar as possibilidades. O primeiro passo é preparar uma cartela de cor para consultas.

Nem sempre a cor que vemos no bastão de lápis ou na tampa da canetinha corresponde exatamente a cor do pigmento que é deixado no papel. Para isso, é importante fazer um guia com nome e amostra de todas as cores que você tem.


Construir e consultar a cartela de cor faz com que a gente saiba exatamente como o material vai se comportar no papel e quais misturas precisamos fazer pra chegar a uma determinada cor ou algum efeito. O risco de fazer cagada besteira é bem menor.

3. Tente desapegar
Terceira e última dica é desapegar. Se você teve competência para fazer um desenho maneiro, com certeza vai ter competência para refazer. Falo por experiência própria que refazer uma criação ou replicar é sempre mais rápido do que criar do zero.

Não tenha medo de errar, pois aprendemos com os erros também. Faça desenhos menos importantes para poder praticar uma técnica nova. Ou ainda, compre um daqueles livros de colorir (ou aquele volume repetido de mangá que você comprou jurando que ainda não tinha). A cada página experimente uma técnica nova, combinações de cores, combinações de materiais... e ao final, você vai ter um livrinho cheio de referências do que fazer, e também do que não fazer.

Olha quanta coisa disponível no mercado!

E aí, gostou? Se você tiver mais dicas, dúvidas, ou quiser contar sua experiência no assunto, deixe um comentário, por favor. Ajudará bastante. =D

Nos vemos no próximo post. Até logo! o/

10 comentários:

  1. Vc faz parecer que usar cores é tão fácil!! Kkkkkkkk Sempre que eu tiver uma duvidazinha, vou pescar aqui :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mari, fááácil não é não. kkkk Mas com as dicas acho que fica menos difícil, não acha? Obrigada por comentar.

      Excluir
  2. Olá Nane! Sou uma apaixonada por cores também. Nesse período estou me divertindo com as cores transparentes da aquarela... amo os efeitos possíveis com aquarela. É impressionante como as cores transmitem sensações, é uma das coisas lindas que a arte proporciona. Muito bom seu post!
    Um grande abraço!
    Meire

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Meire!
      Obrigada. Eu também sou apaixonada pelas técnicas em aquarela, gosto das misturas e sigo uns artistas no instagram que trabalham com esse material. Muito bom mesmo.
      Abração!! Volte sempre! o/

      Excluir
    2. http://agnes-cecile.deviantart.com/

      Conhece o trabalho desta artista do link acima? É fantástico! Näo uso o Instagram, talvez ela esteja lá também.
      Vale a pena ver...
      Um super abraço e uma ótima semana! Bons desenhos!Meire

      Excluir
    3. Nossa! Não conhecia... Gente, que trabalho maravilhoso o dessa pessoa. Achei o perfil no instagram, e já estou seguindo rsrs. Obrigada pela dica, Meire. Achei TOP!

      Ótima semana pra ti também, cheia de cores de aquarela.

      Excluir
  3. Os gifs ajudaram muito o entendimento!
    Seu post ficou muito didático! <3

    E como eu tinha dito, teoria da cor nunca é demais... iesuhiesah Aprendi coisas novas. :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!
      Fico feliz em ter ajudado. <3

      Excluir
  4. Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhh que post maravilhoso Nane
    Amo colorir e ler sobre a teoria das cores, amei as referencias que você usou no post. Com certeza aprendi dicas novas. Obrigada ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu que agradeço pelo retorno, Michele!
      Bjo

      Excluir