quarta-feira, 21 de junho de 2017

Giz de cera sim, por que não?

Da primeira vez que falei sobre os gizes de cera aqui no blog, ele estava no contexto de um post sobre definição de crayon. Desta vez, vou dedicar mais uns parágrafos a esse produto que comumente é "desvalorizado" por quem considera apenas um material escolar infantil - privando-o, por preconceito ou por desconhecimento, de todas as outras possibilidades artísticas que proporciona.

Minha caixa de giz de cera.

Quando decidi usar a caixa de gizão de cera fazendo desenhos no meu caderninho 20x20cm, fiquei frustrada com o material. "Essa porcaria não me deixa trabalhar detalhes" - pensei. Mas acontece que, perdoem-me o trocadilho, eu estava pensando pequeno. Podemos apontar lápis de cor para que a ponta fininha nos possibilite detalhar coisas em espaços pequenos, e quando me toquei que o tamanho da superfície que estava usando para trabalhar com gizão de cera era inapropriada para o nível de detalhes esperados, tudo fez sentido.

Nós, desenheiros, costumamos fazer desenhos pequenos. São vários motivos que nos levam a cair nessa vala: comodidade, economia de material, formato dos sketchbooks... E esquecemos, ou simplesmente não julgamos importante (pelos mesmos motivos listados à pouco) desenhar em formatos maiores. 

"Ah, Nane, mas papel grande é caro...". Olha, fui a uma papelaria escolar semana passada e consegui garimpar bloco A3 com 20 folhas, 140g/m², por R$6, e A4 por R$2. Gente, doooois reais! É super acessível e eu não preciso ter dó de gastar material para fazer esses estudos. \o/ Sai pra garimpar também!

Exercícios de desenho com giz de cera.

Agora estou usando formatos A4 e A3 para exercícios com giz. Percebi que a mudança contribuiu na melhora dos resultados, na maneira com a qual consigo perceber e trabalhar figura e fundo, em como elaborar estratégias para não usar linhas de contorno em desenhos - trabalhando massas de cor, em como combinar as cores para obter novas nuances. Fora que exercita também nosso gestual, isto é, em formatos maiores, além do pulso também precisamos movimentar outras partes do braço para conseguirmos traçar ângulos ou linhas mais compridas.

Mistura/sobreposição de cores para obter novas cores.
Esquerda: Busuzima, de Bloody Roar 2. Direita: Link, de Zelda - Breath of the Wild

Outra praticidade do trabalho em giz de cera é poder fazer desenhos rápidos. Até mesmo quando queremos dar um acabamento melhor na pintura, preencher grandes espaços no papel, etc. Os desenhos acima foram feitos enquanto jogava videogame, coisa de poucos minutos. Se eu fosse tentar fazer o mesmo desenho usando lápis de cor para preencher, acho que demoraria dias!

Sem contar que o processo todo é uma terapia. Levar a caixa de giz ao parque, ou até a varanda e desenhar despreocupado com os padrões e normas formais do desenho de observação é libertador. Claro que as normas e os padrões são importantes para nosso aperfeiçoamento, mas é preciso treinar o desapego, pois às vezes a preocupação excessiva faz com que a gente entre em um estado de bloqueio.

Etapas de desenho em formato A3, usando giz de cera de linha escolar.

Enfim, encerro o post com esse desenho em A3, o maior (e talvez o mais colorido) que fiz até agora com giz. Não é um produto caro que vai te fazer ser bom ou ruim, precisamos explorar as possibilidades dos materiais que temos. 

Até a próxima! o/

6 comentários:

  1. Ei Nane... acho desenhar com giz bem maneiro e bem difícil ao mesmo tempo. :) Massa demais seus desenhos.

    ResponderExcluir
  2. Nane, adorei seus estudos.

    Por incrível que pareça, papel A3 realmente não é tão caro. Difícil é encontrar ânimo para desenhar algo nesse formato, eu por exemplo, morro de preguiça.

    Desde de aquela sua pintura das carpas, sou doido para fazer um desenho com giz de cera, mas o preconceito e a falta de conhecimento sobre o material ainda me deixam sem vontade de testá-los.

    Adorei o Buda (corrija se eu estiver errado).

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mateus!!! Obrigada, cara!
      Poxa vida, deixa essa preguiça de lado, menino. Você é super talentoso, aposto que vai fazer coisas mágicas quando resolver brincar com giz de cera. Falando grosseiramente, não é tão diferente de lápis de cor, sabia? Em relação a fazer mistura de cores, degradês, essas coisas... é bem parecido. O que muda mesmo é o formato do suporte pro desenho, que quanto maior, mais detalhes dá pra fazer.

      Buda, Buddha... tanto faz, tá tudo certo.

      Abração! o/

      Excluir
  3. Nane
    Que super esse post ! Amei. Bem incentivador. Um tempão atrás vi um cara no youtube que só pinta com giz de cera. Ele faz retratos e são detalhados.

    Seus desenhos ficaram incríveis. Parabéns!!! Gostei de todos.

    Você tem razão sobre usarmos material com medo e papel pequeno. Nem preciso falar sobre isso....rs

    Fiquei com muita vontade de tentar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Silvia.
      Obrigada por enviar o link da reportagem que falou. Gostei bastante do estilo dele, e autodidata ainda! Muito legal!

      Quero ver os seus trabalhos agora heim.
      Bjo e obrigada pelo comentário.

      Excluir